Pular para o conteúdo principal

Entrevistas

ENTREVISTA AO BOM DIA DF 07/2009
http://dftv.globo.com/Jornalismo/DFTV/0,,MUL1239924-10041,00.html

A fisioterapia não é a única paixão na vida de Vanja. Ela também é uma doula, profissional que acompanha gestantes em partos naturais, geralmente feitos em casa. No ano passado, ela acompanhou o nascimento do neto.

“A gente trabalha com muitas massagens, tem manobras com bola e muita prática com o marido, abraçada com o marido. E tudo isso é feito de acordo com o ritmo das contrações da gestante”, explica a doula Vanja Mendes.

Partos assim estão ficando raros. Nos primeiros três meses de 2009, 36% dos nascimentos na Rede Pública de Saúde do Distrito Federal foram feitos por cesariana. Bem acima da faixa recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de 10 a 15% por ano.

Nos hospitais de Taguatinga e do Paranoá, 40% das gestantes fizeram cesária; no Guará foram 39%; já no Hospital Regional da Asa Sul, referência em obstetrícia, o número de cirurgias ultrapassou o de partos normais: 52% dos nascimentos foram por cesariana.

“Se gasta muito mais num parto cesário do que num parto normal. O custo é muito maior na cesariana. Você emprega mais material e um número maior de profissional de saúde. Além disso, a paciente fica mais tempo internada. No parto normal, correndo tudo bem, a previsão é mandar a mulher pra casa em 24 horas. Na cesariana ela vai ficar três vezes mais”, destaca o diretor do Hras, Alberto Henrique Barbosa.

Nos hospitais particulares, essa prática chegou a 90% das gestantes. A funcionária pública Ana Carolina, que está no oitavo mês de gestação, diz que não tem tido muito incentivo para fazer o parto normal. “Com certeza, por conta da questão financeira. Os hospitais privados, nessa briga com os convênios, deixam bem claro para o paciente que a questão financeira fala mais alto.”

Além do problema das cesarianas, o Hospital da Asa Sul está com falta de leitos na UTI Neonatal. Ontem, três recém-nascidos prematuros aguardavam uma vaga. O Hras é referência em partos de risco no DF e faz muitas cesáreas. Exatamente por isso, precisa de mais leitos na UTI Neonatal.

Ainda de acordo com Henrique Barbosa, o hospital teria que ter mais dez leitos para atender toda a demanda.

Por Bernardo Menezes



ENTREVISTA TV UNB


PARTE 1


PARTE 2


PARTE 3

Postagens mais visitadas deste blog

Amamentação - Quando um peito fica maior do que o outro

Por Maísa



Algumas mulheres que amamentam experienciam ter um peito maior do que o outro. Não estou me referindo àquela diferença natural que ocorre ao longo do dia, quando um peito está sempre mais cheio do que o outro e vão se revezando nesta apresentação. Estou falando de uma diferença que, independente de qual peito esteja amamentando no momento, sempre há o que se apresenta maior do que o outro.

Apesar de eu ter 3 anos e meio de amamentação com meus dois filhos nunca havia me acontecido isso. Até que há um tempo atrás percebi que um peito estava bem maior do que o outro. Fiquei observando, passavam os dias e nada mudava, parecia até que a diferença acentuava e o esquerdo já estava constantemente o dobro do direito, perceptível até mesmo vestida. Eu estava amamentando normalmente com os dois peitos, como sempre havia feito, revezando-os nas mamadas. Mas não sei por qual razão o esquerdo estava produzindo muito mais leite, embora o direito, ainda que bem menor, também satisfazia min…

BEBÊ PÉLVICO, TRANSVERSO OU CEFÁLICO?

O bebê até aproximadamente a 37ª. semana tem maior facilidade em mudar da posição pélvica (sentado) ou transversa (deitado na rede) para posição cefálica (de cabeça para baixo). O espaço no útero e também maior quantidade de líquido permitem que tal situação ocorra. Até o final da gestação, o bebê pode mudar de posição, mesmo aquele que já estava há semanas cefálico pode resolver sentar, apesar de ser mais difícil.

Um parto com bebê na posição pélvica é um pouco mais difícil mas pode ocorrer.

Antes do início do trabalho de parto é possível fazer alguns convites para o bebê caminhar para a posição cefálica. Vamos a algumas dicas:

- CONVERSE com seu bebê e através do toque na sua barriga, mostre o caminho que ele pode fazer;

- NADE e dê cambalhotas dentro da água. Com calma, suave, para as mulheres com tal habilidade;

- ACUPUNTURA que utilize moxabustão. Há um ponto específico no pé para fazer o bebê virar, além de outros relacionados;

- HOMEOPATIA conta com medicamentos homeopáticos …

Amar é...