Doular é amar, é doar e acompanhar.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Herança de mãe para filha

Por Maísa

Muitas das coisas que herdamos dos nossos pais temos que transmutar, refazer e adequar conforme o que acreditamos que seja melhor. É um processo trabalhoso que envolve bastante energia e desgaste.

É maravilhoso quando acontece o contrário: nossos pais nos passam algo em profunda sintonia com nosso ser e que nos ajuda harmoniosamente a nos desenvolver. Quero falar de algo que herdei de minha mãe e que me poupou muito esforço e muito me ajudou na minha maternidade. 

Só comecei a perceber essa herança quando fiquei grávida pela primeira vez e tudo o que minha mãe já havia falado sobre suas gravidezes e partos me interessaram mais intensamente. Foi aí que me dei conta do que passei minha infância ouvindo: minha mãe contava episódios engraçados e naturais desses acontecimentos na vida dela. Nunca falou de dor, sofrimento ou doença durante suas gestações e partos. Lembro de que uma vez, ainda criança, fiz uma pergunta enfatizando sobre a dor do parto: a resposta dela foi tão vaga , que o que me recordo foi que isso pouco significou para ela, pois não ficou registrado em sua memória.

O que me lembro são detalhes que ainda hoje me fazem rir: ela brincando de soldado com meu irmão mais velho, marchando durante as contrações, em trabalho de parto do meu outro irmão. Quando foi fazer as unhas, em trabalho de parto, e deixou o médico impaciente esperando por ela no hospital. No meu nascimento ela conta que meu pai falou algumas coisas engraçadas um pouco antes de eu nascer, o que a fez rir, e que lá fora, na rua, ela ouvia as pessoas comemorando, pois era sábado de carnaval. Imagino sempre que foi um momento feliz, além do que ainda era uma surpresa para ela o fato de ser eu uma menina, sua filha chegando.

E agora, grávida do meu terceiro filho, sinto novamente gratidão por minha mãe ter me passado tão bela herança, que me ajuda a construir gravidezes saudáveis e parir naturalmente, e transmitir para minha filha essa mesma percepção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário