Pular para o conteúdo principal

Mulheres sofrem com a falta de apoio do parceiro durante a gravidez

Pesquisa desenvolvida na Noruega acompanhou as gestações de 50.000 mulheres


A gestação é um momento complicado e muitas vezes a mulher pode passar por dificuldades emocionais. Mas mulheres que têm relacionamentos ruins com seus parceiros e não recebem apoio deles durante a gravidez têm ainda mais chances de desenvolver esse tipo de problemas.

Uma pesquisa desenvolvida na Noruega acompanhou as gestações de 50.000 mulheres, estudando a saúde corporal, consumo de cigarros e álcool e também os relacionamentos com seus parceiros, família e local de trabalho.

Os resultados mostraram que dos fatores analisados, o apoio dado à mulher pelo parceiro era o que mais afetava a sua saúde mental. As grávidas infelizes com seus relacionamentos tinham maiores chances de ficarem deprimidas do que as mulheres que disseram ter bons relacionamentos. De acordo com o estudo, relacionamentos saudáveis e positivos funcionam como um aliviador dos problemas enfrentados no quotidiano.

O estresse pode prejudicar ambos mãe e bebê durante o período da gestação, então ter o apoio do marido ou namorado é importante para que problemas financeiros, doenças ou outras complicações não comprometam a saúde. O estresse na gravidez pode causar dificuldades como parto prematuro e baixo peso do bebê. O impacto pode influenciar até mesmo os primeiros anos da criança e o bem estar de toda a família.

Gun-Mette Røsand, do Instituto Norueguês de Saúde Pública, explica como evitar o problema.

“É importante que cursos pré-natais incluam aulas de relacionamento e que muita atenção seja dada a mulheres a quem faltam o apoio de um bom relacionamento”.

Fonte: Boa Saúde
Autor: Dr. Marcus Renato de Carvalho - SCIENCE DAILY
Data: 22/3/2011

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amamentação - Quando um peito fica maior do que o outro

Por Maísa



Algumas mulheres que amamentam experienciam ter um peito maior do que o outro. Não estou me referindo àquela diferença natural que ocorre ao longo do dia, quando um peito está sempre mais cheio do que o outro e vão se revezando nesta apresentação. Estou falando de uma diferença que, independente de qual peito esteja amamentando no momento, sempre há o que se apresenta maior do que o outro.

Apesar de eu ter 3 anos e meio de amamentação com meus dois filhos nunca havia me acontecido isso. Até que há um tempo atrás percebi que um peito estava bem maior do que o outro. Fiquei observando, passavam os dias e nada mudava, parecia até que a diferença acentuava e o esquerdo já estava constantemente o dobro do direito, perceptível até mesmo vestida. Eu estava amamentando normalmente com os dois peitos, como sempre havia feito, revezando-os nas mamadas. Mas não sei por qual razão o esquerdo estava produzindo muito mais leite, embora o direito, ainda que bem menor, também satisfazia min…

BEBÊ PÉLVICO, TRANSVERSO OU CEFÁLICO?

O bebê até aproximadamente a 37ª. semana tem maior facilidade em mudar da posição pélvica (sentado) ou transversa (deitado na rede) para posição cefálica (de cabeça para baixo). O espaço no útero e também maior quantidade de líquido permitem que tal situação ocorra. Até o final da gestação, o bebê pode mudar de posição, mesmo aquele que já estava há semanas cefálico pode resolver sentar, apesar de ser mais difícil.

Um parto com bebê na posição pélvica é um pouco mais difícil mas pode ocorrer.

Antes do início do trabalho de parto é possível fazer alguns convites para o bebê caminhar para a posição cefálica. Vamos a algumas dicas:

- CONVERSE com seu bebê e através do toque na sua barriga, mostre o caminho que ele pode fazer;

- NADE e dê cambalhotas dentro da água. Com calma, suave, para as mulheres com tal habilidade;

- ACUPUNTURA que utilize moxabustão. Há um ponto específico no pé para fazer o bebê virar, além de outros relacionados;

- HOMEOPATIA conta com medicamentos homeopáticos …

Amar é...